Como Ser um Chefe Notável Durante o Bloqueio

Por Chris Marcell Murchison

Os gestores precisam se adaptar às condições do coronavírus. Aqui estão algumas ideias de como fazer isso.

Os gestores precisam se adaptar às condições do coronavírus. Aqui estão algumas ideias de como fazer isso.

Desde o início da pandemia do coronavírus, recebi centenas de e-mails oferecendo conselhos, dicas e ferramentas para gerentes liderando equipes nesta nova era de trabalho. Uma coisa é clara: agora é um momento importante para ser extra consciente e intencional como líderes. E nunca houve um momento melhor para promulgar práticas para apoiar uma sociedade próspera, resiliente e compassiva.

Entre todos os conselhos recebidos na minha caixa de entrada, cinco práticas de gestão se destacam, e agora têm oportunidade de ter um impacto ainda maior, se usadas sem conjunto. São elas: apoio à expressão emocional, qualidade de presença, indagação, escuta e autocuidado.

Desde o início da pandemia do coronavírus, recebi centenas de e-mails oferecendo conselhos, dicas e ferramentas para gerentes liderando equipes nesta nova era de trabalho. Uma coisa é clara: agora é um momento importante para ser extra consciente e intencional como líderes. E nunca houve um momento melhor para promulgar práticas para apoiar uma sociedade próspera, resiliente e compassiva.

Entre todos os conselhos recebidos na minha caixa de entrada, cinco práticas de gestão se destacam, e agora têm oportunidade de ter um impacto ainda maior, se usadas em conjunto. São elas: apoio à expressão emocional, qualidade de presença, indagação, escuta e autocuidado.

1. Apoie a expressão emocional

A experiência da pandemia reverberará de formas diferentes para cada colaborador. Você observará o luto, a sobrecarga de tarefas domésticas e do trabalho, o medo, a ansiedade, a hipersensibilidade e muito mais. Essas emoções mudarão dia a dia, semana a semana, ou até mesmo a cada hora! Eu sei como tem sido minhas emoções nestas últimas semanas.

Expressar emoções no trabalho sempre foi um desafio. Muitos funcionários temem ficar excessivamente vulneráveis ao compartilhar muitas informações, ficando envergonhados e talvez até sendo alvo de julgamento. Mas nos dias atuais, quando as linhas habituais entre o trabalho e a vida estão muito turvas, as emoções estão tão presentes. É necessário reconhecer isso e apoiar.

As emoções são respostas humanas naturais ao seu ambiente e a expressão da emoção é uma prática natural, saudável e até vital. “Nossas respostas emocionais moldam nossa experiência do mundo”, diz Eve Ekman, membro sênior do Greater Good Science Center e criadora de uma oficina popular intitulada Cultivando o Equilíbrio Emocional. “As emoções podem se sentir profundamente enriquecedoras e dolorosamente insuportáveis.” Em ambos os casos, essas emoções divergentes podem ser mascaradas no local de trabalho com uma quietude, um sorriso fraco ou até mesmo risos.

Assim, nosso papel como gestores é descobrir as emoções dentro de nossas equipes e dar-lhes um lugar seguro para serem expressas. A maioria das emoções pode ser totalmente expressa em segundos. Não expressos, eles permanecem alojados em nossos corpos e podem causar danos a longo prazo a nós mesmos e aos outros.

Fornecer apoio emocional não significa que você precisa se tornar um terapeuta ou conselheiro.  Isso significa, no entanto, ir além da educada pergunta “Como você está?”, para uma troca e abertura mais significativa que podem inflamar seu senso de pertencimento e esperança. Se mais apoio emocional parece prudente, recursos profissionais estão prontamente disponíveis.

2. Esteja requintadamente presente

Em um post recente no Linkedin, o pesquisador e escritor Adam Grant nos lembra que a solidão é generalizada, especialmente na cultura americana. “Os americanos têm menos amigos no trabalho do que nós no passado — e é menos provável que eles tenham que jantar e sair de férias com eles do que pessoas em muitos outros países.”

O distanciamento social pode facilmente amplificar sentimentos já difundidos de solidão. Assim, a conexão é mais imperativa agora do que nunca, mesmo que se torne um esforço criativo, mas restrito. Freelancers e funcionários contratados sabem como é fácil se sentir desconectado do local de trabalho — e agora, quase todos nós que trabalhamos todos os dias em um escritório sabemos como é não ter um bebedouro.

Isso exige que os líderes estejam ainda mais atentos aos nossos funcionários — prestem mais atenção, observem mais, construam conexão de alta qualidade. Devemos estar requintadamente presentes e criar o espaço para que nossos funcionários se sintam plenamente vistos, ouvidos e apreciados durante esses tempos desafiadores e incomuns. 

3. Prática de questionar

Estar presente com nossas equipes é apenas um ingrediente para apoiar seus prósperos. Devemos também perguntar para entender o que eles valorizam e o que eles precisam. Isso requer uma investigação hábil.

Muitos anos atrás, tive o privilégio de conhecer Melissa Peet. Na época, ela era diretora de aprendizagem integrativa e gestão do conhecimento na Stephen M. Ross School of Business da Universidade de Michigan. Ela agora dirige uma organização chamada Instituto do Conhecimento Generativo.

Quando conheci Melissa, fiquei intrigado com materiais que ela estava criando em torno de práticas generativas, e particularmente uma prática que ela chamou de inquérito incorporado. Esta é a noção que cada um de nós tem dentro de nós uma riqueza de recursos para navegar com sucesso na mudança. Ao fazer as perguntas certas, apoiamos e “permitimos que o conhecimento oculto, a viva-se e a inteligência que está incorporado na experiência vivida das pessoas se apresentem”.

Fazer perguntas do coração fica abaixo do nível da superfície, provocando respostas que produzem energia e intrinsecamente auto-motivadoras. Então, por exemplo, em vez de pedir um relatório obsoleto sobre o trabalho que eles fizeram, você poderia pedir aos funcionários para descrever realizações recentes das quais eles estão particularmente orgulhosos. Ou, em vez de perguntar sobre metas e objetivos, você pode perguntar: “O que você está mais ansioso para aprender durante o período de quarentena?”

Você pode dizer se você está em inquérito incorporado quando o funcionário acende na sua frente e você pode ver o processo de descoberta se desenrolando diante de você. Nesses momentos, é fácil ver como nossas perguntas são importantes. “Vivemos em mundos que nossas perguntas criam”, diz David Cooperider, um dos fundadores do Inquérito De Apreciação.

4. Ouça de forma generalizada

O parceiro necessário para a investigação é ouvir, e ambas as práticas florescem sob presença requintada. Em conjunto, o trabalho de investigação e escuta para trazer à tona o maior e melhor potencial futuro para nossas equipes.

Quando uma pergunta incorporada é feita, precisamos estar plenamente presentes para ouvir e apoiar a resposta. Este é um tipo de escuta incomum. Otto Scharmer, autor, pesquisador do MIT e fundador do Instituto Presencing, divide a escuta em quatro níveis:

  1. Download: Transferindo informações que já são amplamente familiares, ouvindo apenas para reconfirmar o que você já sabe.
  2. Escuta factual: Prestar atenção somente quando a informação é diferente do que você sabe. Essas novas informações são adicionadas ao que já é conhecido.
  3. Escuta empática: Ouvir com o coração aberto. Empatizar e ver através dos olhos de outra pessoa; capaz de entender e respeitar a outra pessoa de onde ela está.
  4. Escuta generativa: Isso significa ouvir criar, sem que sua personalidade fique no caminho dos resultados. Ao se conectar à sua própria intuição, você é capaz de ver e apoiar a maior possibilidade futura da outra pessoa. 

Do modelo de Scharmer, é fácil ver como a escuta cotidiana não fornece as condições necessárias para que outra pessoa se torne mais viva. A escuta empática e generativa são práticas de alta ordem, uma espécie de escuta sob medida, afinando-se tão bem para outra que você se perde em sua experiência, com o que eles estão vivendo e lutando, e capaz de imaginar o que é possível para eles.

5. Cuide-se

Finalmente, nós, gestores, não somos imunes a essa crise e não podemos apoiar aqueles que trabalham conosco sem garantir que nossas próprias xícaras estejam cheias.

Estar presente às nossas equipes em momentos como este requer uma certa energia, e devemos estar atentos para preencher regularmente nossos próprios copos para que possamos manter nossa presença ao longo do tempo. Cuide-se sendo honesto sobre o que você está sentindo e experimentando; ser vulnerável e modelar expressão emocional; estabelecendo limites quando necessário; buscando seu próprio apoio; e praticando compaixão.

Eu também sou um grande defensor da autoconsciência e autocuidado. Tome tanta atenção de si mesmo quanto você faz com os outros, e certifique-se de recompensar-se com atividade que o nutre.

À medida que procuramos continuar nossas vidas em quarentena ou confinamento, e eventualmente retornar à atividade social e ao trabalho, novas ondas de experiência e emoção nos capturarão e exigirão atenção. Ser um chefe notável significa estar preparado para essas ondas e pronto para responder com aplomb. Você tem isso..

Obter a ciência de um local de trabalho significativo entregue em sua caixa de entrada.

Chris Marcell Murchison is a passionate advocate for positive workplace culture. In his broad career spanning the higher education, for-profit, not-for-profit, and foundation sectors, he has focused his energy on developing creative means to build community at work and practices that support an employee experience of deep respect, connection, joy, and generative learning.

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Posts Relacionados

Comunicação

Comunicação Não Violenta

Uma das funções principais de um líder é obter bons resultados através de suas equipes. Para isto, é necessário comunicar de maneira clara e objetiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Alcance Todo Potêncial Humano da sua Empresa

Fale Conosco