Forças de Caráter – Como Navegar em Águas Turbulentas

É fácil falar de forças de caráter (forças pessoais) quando tudo vai bem e nossa saúde, emprego, bem-estar e segurança, inclusive daqueles que amamos, não estão em risco.

É fácil falar em resiliência quando os desafios são aqueles do cotidiano.

Porém, falar em forças e resiliência em momentos de quebra de estruturas e paradigmas, é tão difícil quanto entender onde tudo isto vai nos levar.

O coronavirus, com impacto sem precedentes no cotidiano, na saúde física e financeira de pessoas, organizações e países, é um movimento desruptivo, que altera sistemas e estruturas. Ele afetará, a curto ou médio prazo, os que estão empregados, os autônomos, empresários, desempregados, dona de casa… Enfim, é um processo democrátivo!

É portanto, momento de olharmos para nossas forças de caráter e selecionarmos aquelas que nos permitem adquirir resiliência e capacidade de enfrentamento para passar por esta “onda” sem maiores danos.

O uso consciente de nossas forças pode ser nosso diferencial para sobreviver e atravessar essa turbulência. Esta é a reflexão que proponho neste texto.

Bom, pelo menos a grande maioria de nós terá muito tempo nos próximos dias, para refletir sobre isso!

O que move o barco a vela e o faz navegar é a pressão do vento. Quando viaja na direção do vento, o veleiro é submetido à simples pressão do vento em sua vela e essa pressão impele a embarcação para frente.

Além do vento, outros itens são importantes para a navegação ocorrer com sucesso.

As velas devem ser manuseadas pelo velejador até estarem no ângulo certo para que elas aproveitem a pressão e a propulsão do vento. As velas são, portanto, fundamentais para a devida propulsão ocorrer.

O leme é o que dá a direção ao barco. É ele que define para onde se quer ir, que corrige a rota e reposiciona o barco quando necessário.

E o velejador, além de usar a destreza para navegar, deve usar seu corpo sempre na posição certa, de maneira a ser contrapeso para o barco não virar.

Em um mar calmo e com ventos a favor, a navegação é suave e normalmente sob controle. Um barco a vela nessas condições, navega a contento, no silêncio, à exceção do barulho dos ventos e do mar, visto que não tem motor.

Quando o vento, ou o barco, muda de direção ficando contra o vento, é necessária uma destreza maior para garantir a navegação segura, mudando as velas no ângulo certo para que consiga a pressão necessária para mover o barco para frente.

Totalmente contra o vento é quase impossível, mas é possível navegar quase de encontro a ele. Essa forma de levar o barco é chamada de navegação à bolina ou cochado, e é feita mantendo a embarcação sempre cerca de 45 graus em relação ao vento contrário. Tudo, no entanto, é uma questão de como se posiciona a vela. Esse é um dos elementos fundamentais, principalmente em condições adversas.

Viver é uma aventura parecida com navegar em um barco a vela.

O mar e o vento representam os fatores externos, o mundo, o ambiente em que vivemos, com suas mudanças bruscas, desruptivas e inesperadas, que às vezes podem lhe ser favoráveis e outras, nem tanto.

Esses fatores estão fora da sua esfera de controle e domínio, mas pode aprender a lidar com eles.

O leme representa a sua meta, seus objetivos. É ele que irá direcionar o barco na direção pretendida – ao seu objetivo, ao seu propósito de vida. Sem ele, o barco fica à deriva, literalmente sem direção.

As velas são suas forças de caráter, suas forças pessoais. São seus recursos internos, sua força psicológica e também suas competências pessoais e profissionais. São elas que aguentam a pressão do vento, e são elas que movem a embarcação na direção que o leme apontar e conduzem à travessia.

Como atravessar esta turbulência e garantir a travessia?

Agarrando-se firmemente em nosso propósito de vida, em nossa rede de apoio emocional (família, amigos, espiritualidade) e em nossas forças pessoais.

É momento de relembrar quais são nossas metas e propósito, para ter direcionamento e manter uma perspectiva positiva de nossa trajetória de vida.

Não temos domínio sobre essa turbulência, mas podemos tomar atitudes corretas que nos ajudem a atravessá-la sem maiores dores. Com relação específica à nossa saúde e a de quem amamos, muitas dessas atitudes estão amplamente divulgadas nas mídias pelos órgãos de saúde competentes. É crucial seguir todas as recomendações.

Mas, e as velas?! Quais manejar em momentos de turbulência? Em outras palavras, quais são as forças de caráter que podem nos ajudar a atravessar esta turbulência?

Entre tantas forças necessárias e importantes, uma que se sobressai é a Esperança (também referida como otimismo). A esperança é uma força fundamental para melhorar nossa resiliência, necessária em momentos como este. Esperar o melhor do futuro e trabalhar para alcançá-lo, acreditando que algo bom poderá ser construído a partir e apesar das adversidades.


A esperança é o vento propulsor para esta travessia. É uma das cinco forças mais associadas com a sensação de satisfação a vida, pois gera sentimento positivo, otimismo, elevando nossa imunidade. Extremamente importante em face do Coronavirus.

Quando eu espero, do verbo esperançar, como diz o nosso admirável Professor Mario Sérgio Cortela, eu projeto uma visão de futuro positiva, e isso contribui para o fortalecimento de nossos pensamentos em torno daquela visão. Para quem acredita, isso auxilia na materialização daquilo que projetamos.

Desse ponto de vista, a esperança, ao contrário do que muitos acreditam, é ter um pé na realidade, visto que auxilia em sua co-criação de maneira positiva. Afinal, todas as possibilidades existem, já bem o dizem os matemáticos, portanto, co-criar algo positivo e bom, é possível.

A esperança é uma das forças da virtude Transcendência, que inclui forças que estabelecem conexões com o universo maior e fornecem significado.

Todos nós temos essa força, mas como eu a potencializo neste momento?

Visualizando e escrevendo sobre o quê de melhor poderá acontecer e ser feito no futuro próximo, traçando metas e objetivos, e revendo se elas estão alinhadas com seu propósito de vida. Observar a qualidade de seus pensamentos e focar, “turbinar” aqueles que são positivos e esperançosos, definindo quais caminhos podem ser trilhados para alcançar suas metas. Pensar em coisas positivas e boas que lhe aconteceram no passado, e em como você as superou. Identificar possíveis oportunidades e focar nelas.

Quais outras forças?

Criatividade, Pensamento Crítico e Perspectiva

são forças da virtude da Sabedoria e que neste momento, compõem com a Esperança as forças necessárias para esta travessia.

Criatividade é pensar maneiras novas e produtivas para conceber e realizar coisas. É encontrar soluções, alternativas e maneiras de fazer as coisas de maneira diferente para chegar ao resultado almejado. É ter ideias originais e aproveitar as oportunidades para implementá-las.

Estamos e enfrentaremos um momento de crise em vários setores, no entanto, sabemos que crise é oportunidade. É momento de usar nossa criatividade.

A Criatividade é uma das cinco habilidades essenciais do século XXI, juntamente com Pensamento Crítico, Colaboração e Comunicação. É ela, a Criatividade, que nos permite inovar, criar e co-criar.

Como potencializo o uso dessa força?

Desenvolvendo pensamento divergente, gerando múltiplas soluções e alternativas para os desafios do momento presente. Isto envolve buscar soluções por meio de múltiplas possibilidades.

Um exercício muito usado no mundo organizacional que ajuda no desenvolvimento da criatividade é o brainstorming, ou tempestade de ideias, onde você escreve todas as alternativas e possibilidades para solucionar o problema. A dica para este exercício é fazê-lo sem julgamento de certo ou errado, deixando as ideias fluírem. Daí o nome tempestade de ideias. Vale a pena fazer exercício!

Pensamento Crítico,

ou Discernimento, ou ainda Mente Aberta, é uma das cinco forças
mais endossadas e desejáveis no mundo. Ela significa analisar as situações por todos os ângulos, fazendo um exame racional e objetivo das nformações, sem ir direto para conclusões e principalmente, sem tirar conclusões precipitadas, algo que muito fazemos em momentos de crise, conduzidos pelas mídias e fake news.

Ter discernimento, senso crítico é também ser capaz de mudar de ideia diante de fatos, de evidências externas, de maneira analítica e imparcial.

Junto com a criatividade, é a possibilidade de encontrar saídas e soluções não observadas.

Não é à toa que Pensamento Crítico é também uma das habilidades essenciais deste século. E é hora de colocá-lo em prática!

Como potencializo o uso dessa força?

O pensamento crítico é uma sólida força da “mente”, portanto pode ser estimulado desafiando sua tendência natural e pessoal de emitir opiniões e tirar conclusões precipitadas. Uma maneira de potencializá-lo é portanto, desafiando suas conclusões, suas crenças e pontos de vistas, buscando informações contrárias de maneira a expandir sua visão e seu pensamento

Por fim e não menos importante, é momento de trazer à tona nossa Inteligência Social/Emocional, que significa estar cientes dos sentimentos de si e dos outros, saber o quê fazer para adaptar-se a diferentes situações, criando inclusive, resiliência neste momento de isolamento social.

Amor,

outra força fundamental para auxiliar-nos em comportamentos que demonstrem amor e zelo ao próximo, muito importante neste momento em que podemos e devemos cuidar e tomar medidas para proteger aqueles mais vulneráveis e com maior risco.

Autocontrole

é fundamental, afinal para muitos, ficar em casa e em isolamento social por
tempo ainda indefinido é algo muito difícil, se não impensável, independente estar ou não home office. Para muitos, este isolamento não é prazeroso e pode trazer velhos problemas domésticos e de convivência familiar à tona; portanto, o autocontrole é necessário para o bem-estar psicológico e evitar com que nos empanturremos de comida, de pensamentos negativos, de ansiedade.

Existem obviamente outras forças importantes, mas proponho a reflexão destas que se bem praticadas, criarão a resiliência necessária para atravessarmos este momento e o que quer que esteja por vir.

São tempos difíceis e turbulentos, mas ao olharmos para a evolução do homem, desde os primatas, vemos que nossos antepassados enfrentaram desafios também difíceis que à época provavelmente eram insuperáveis. Tiveram que dominar a fome, a falta de abrigo, pestes e enfermidades, e o enfrentamento de ameaças constantes que punham em risco a sobrevivência. E evoluímos. Temos em nossa genética a capacidade de superação.

E temos o conhecimento das forças de caráter.


Atravessaremos.

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Posts Relacionados

Comunicação

Comunicação Não Violenta

Uma das funções principais de um líder é obter bons resultados através de suas equipes. Para isto, é necessário comunicar de maneira clara e objetiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Alcance Todo Potêncial Humano da sua Empresa

Fale Conosco